quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

O que falava Santa Bernadette quando era religiosa (1868-1869)

Santa Bernadette religiosa em Nevers. [N.R.: nome de religião irmã Marie-Bernard]
Santa Bernadette religiosa em Nevers.
[N.R.: nome de religião irmã Marie-Bernard]



1868

Irmã Charles Ramillon:

Eu estava presente, um dia, quando uma de nós lhe disse: 

“Você contou os segredos de Nossa Senhora à madre superiora?”. 

“Não.”

“Nem à mestra das noviças?” 

“Nem a ela.”

Então, acrescentei: “Mas, e se o Santo Padre perguntasse quais são esses segredos?”. 

Ela respondeu: “Eu pensaria no caso”.


Novembro

Conde Lafond:

Dom Chigi [núncio apostólico na França, ndr.] mandou chamar irmã Marie-Bernard [N.R.: nome de religião de Santa Bernadette] ao parlatório.

“Filhinha”, perguntou a ela, “você não teve medo quando viu Nossa Senhora?”.

“Oh, sim, monsenhor, muito; mas só da primeira vez; depois, era tão bonita!”.




1869

Agosto

Irmã Bernarda Dalias:

Uma palavra dela já fazia o bem. Diante de pessoas que sofriam com a dor, ela dizia: “Vou rezar por vocês”.

Mais de uma vez a surpreendi com o rosto inundado de lágrimas. Eu a interrogava com o olhar: 

“Oh”, ela me sussurrava, “rever a gruta, uma vez só que fosse, de noite, sem que ninguém ficasse sabendo...”.

Eu era encarregada de entoar o canto para a oferta da recreação. Irmã Marie-Bernard chegou um dia, depois da oração, e me disse:

“Qualquer hora, cante ‘Com minha mãe estarei’”.

E nisso seus olhos assumiram uma expressão de desejo, de tristeza indefinível, e vi duas lágrimas rolarem...

Bastava ouvi-la dizer, com plena convicção:

“Rezem por mim, pobre pecadora, sobretudo na hora da morte”, para entender que sabia perfeitamente bem que teria de invocar o crédito que a Virgem lhe prometera por sua fidelidade.


O convento de Nevers visto desde o jardim interno
O convento de Nevers visto desde o jardim interno
Irmã Emiliana Robert:

Falava sobre nós nos corrigirmos dos nossos defeitos, e eu lhe disse que isso é difícil. Ela então arregalou os olhos e me respondeu vivamente:

“Mas, como?! Receber com tanta frequência o pão dos fortes e não ser mais corajosa!”.


Outubro

Conde Lafond:

O abade de M. lhe disse, na minha presença, que estava chegando de Lourdes e havia encontrado o padre Hermann e o senhor Lasserre, ambos agraciados com o dom da visão.

Irmã Marie-Bernard abriu seus grandes olhos, até então abaixados.

“Eu vi”, acrescentou o abade, “a imagem que puseram na gruta. Tem as mãos juntas, deste jeito. Era assim mesmo que Nossa Senhora aparecia?”

“Sim, padre. Mas quando ela me disse: ‘Sou a Imaculada Conceição’, fez assim.”

E fez um gesto de tamanha beleza que nos comovemos até as lágrimas. Parecia que víamos uma cópia viva da Rainha do Céu, quando apareceu sobre a rocha de Massabielle. 


Uma senhora de Nevers perguntou um dia a ela: 

“Você nunca mais reviu a Virgem depois das dezoito aparições?”.

Duas lágrimas enormes encharcaram suas pálpebras: foi a única resposta.


Irmã Cecília Pagès:

Eu dizia a irmã Marie-Bernard que muitas pessoas eram curadas pela água de Lourdes, depois de uma novena.

“Oh”, ela disse, “talvez Nossa Senhora queira que rezem bastante. Houve uma pessoa que só foi curada depois de nove novenas”.



Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário.

3 comentários:

  1. NOSSA SENHORA DE LOURDES ROGAI POR NÓS.

    ResponderExcluir
  2. Salve Maria!

    Com minha Mãe estarei
    Na santa glória um dia
    Junto à Virgem Maria
    No céu triunfarei.

    Conheço esse canto à Nossa Senhora. Seria o mesmo do qual gostava Santa Bernadete?

    ResponderExcluir
  3. Minha vó , quando estava no hospital, cantava essa música, Com minha mãe estarei e Mãezinha do céu....nossa Senhora d Lourdes , rogai por nós... Amém

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.