quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Lendo as cartas de Santa Bernadette Soubirous – 2

Manuscritos de Santa Bernadette
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs













Continuação do post anterior: Lendo as cartas de Santa Bernadette Soubirous – 1


Percebendo a mão de Deus que castiga

Bernadette via com olhos sobrenaturais os acontecimentos de sua época.

Assim, por exemplo, em 1870, durante a guerra franco-prussiana, quando os alemães já estavam próximos de Nevers — e, portanto, ameaçavam a própria segurança das irmãs —, estando já a comunidade inteira a serviço dos feridos, Santa Bernadette escreve à sua irmã Maria:

“Não temos senão uma coisa a fazer: é pedir muito à Santíssima Virgem, a fim de que Ela queira interceder por nós junto de seu querido Filho, e nos obter perdão e misericórdia; tenho a doce confiança de que a Justiça de Deus que nos castiga neste momento será então aplacada por essa terna Mãe” (Carta à sua irmã Maria, de 25 de dezembro de 1870, p.70).

Em 1871, durante os grandes tumultos da Comuna de Paris, ela escreve à Madre Alexandrina:
“Permiti, minha querida Mãe, que vos deseje um bom Aleluia, bem como a todas as queridas Irmãs. Nós deveríamos mais chorar do que nos regozijar vendo nossa pobre França tão endurecida e tão cega.

“Quanto Nosso Senhor é ofendido! Roguemos muito por esses pobres pecadores, a fim de que eles se convertam: apesar de tudo, são nossos irmãos! Peçamos a Nosso Senhor e à Santíssima Virgem que transformem esses lobos em cordeiros” (Carta à Madre Alexandrina Roques, de 3 de abril de 1872, p. 78).


Já em 1875, numa outra carta, fazendo alusão aos massacres cometidos em Paris durante o advento da Terceira República e das grandes enchentes na região de Lourdes, ela diz à sua irmã Maria, em carta de 4 de julho:

“O bom Deus nos castiga, mas é sempre pai. As ruas de Paris foram regadas pelo sangue de um grande número de vítimas, e isso não foi suficiente para tocar os corações endurecidos no mal; foi necessário que as ruas do Sul fossem também lavadas e que elas tivessem também suas vítimas. Meu Deus!

“Como o homem é cego se não abre seu coração à luz da fé! Depois de infelicidades tão terríveis, não teremos a tentação de nos perguntar o que teria podido provocar esses terríveis castigos?

“Escutemos bem, e ouviremos uma voz, no fundo de nosso coração, a nos dizer: é o pecado, sim, o pecado, pois que é a maior infelicidade que nos atrai todos os castigos.

“O mal que cometemos com malícia cai sobre nós. Eis a felicidade e as vantagens que nos procuram a obra do pecado. Ó meu Deus, perdoai-nos e fazei-nos misericórdia” (pp. 97-98).

Ela pensa nos militares que tinham de manter a ordem e a disciplina durante esses tempos calamitosos. Assim, diz a seu irmão, que havia se engajado no exército:

Santa Bernadette no convento de Saint Gildard, Nevers
Santa Bernadette no convento de Saint Gildard, Nevers
“Eu sei que os militares têm muito que sofrer em silêncio. Se eles tivessem o cuidado de dizer todas as manhãs ao levantar-se estas curtas palavras a Nosso Senhor: ‘Meu Deus, hoje eu quero fazer tudo e sofrer tudo por vosso amor’, quantos méritos adquiririam para a eternidade.

“Um soldado que fizesse isso e fosse fiel aos seus deveres de cristão tanto quanto lhe seja possível, teria tanto mérito quanto um religioso.

“Com efeito, o religioso não pode esperar recompensa de seus trabalhos e de seus sofrimentos senão pelo que tiver sofrido e trabalhado para comprazer a Nosso Senhor” (Carta a João Maria, de 1 de julho de 1876, p.109).

“Nossa família é mais numerosa no Céu”

Sua irmã Maria, que já tinha perdido três filhos, perde a última filha que lhe restava. A carta que lhe escreve Santa Bernadette é cheia de espírito sobrenatural:

“Adoremos sempre e bendigamos a mão poderosa de Nosso Senhor, que não nos atinge senão para nos curar e nos fazer ver o nada das coisas desta miserável Terra, onde não estamos senão de passagem.

“Eu compreendo que para o coração de uma mãe é bem triste, eu diria mesmo cruel, perder seu quarto filho.

“É certo que a prova é bem rude. Mas quando olho as coisas com os olhos da fé, não posso me impedir de exclamar: feliz mãe que envia anjos ao Céu, que rezarão por ti e por toda a tua família. Eles serão nossos protetores junto de Nosso Senhor e da Santíssima Virgem. [...]

“Coragem: nossa família é mais numerosa no Céu do que na Terra. Rezemos, trabalhemos e soframos tanto quanto agradar a Nosso Senhor. Talvez daqui a pouco partilharemos sua felicidade” (Carta de 26 de agosto de 1876, p.115).
Em carta ao Papa: “Há muito que sou um zuavo

Escrito de Santa Bernadette
Escrito de Santa Bernadette
Para terminar, um trecho da carta que a santa escreveu a Pio IX, onde se pode ver seu espírito combativo e cheio de fé:

“Há muito que sou zuavo,(3) se bem que indigno, de Vossa Santidade. Minhas armas são a prece e o sacrifício, que eu guardarei até meu último suspiro.

“Lá somente a arma do sacrifício cairá, mas a da prece me seguirá ao Céu onde ela será bem mais poderosa que sobre esta terra de exílio. [...]

“Parece-me que, cada vez que rezo segundo vossas intenções, do Céu a Santíssima Virgem deve frequentemente lançar seus olhares sobre Vós, Santíssimo Padre, pois que Vós a proclamastes Imaculada e, quatro anos depois, essa boa Mãe veio à Terra para dizer: ‘Eu sou a Imaculada’” (17 de dezembro de 1876, p.126).
_________________
Notas:
1. Dom Prospero Guéranger, El Año Litúrgico, Editorial Aldecoa, Burgos, 1956, tomo II, p. 779.
2. As cartas são traduzidas da obra Soeurs de la Charité de Nevers, Sainte Bernadette d’après ses lettres, P. Lethielleux, Paris, 1993.
3. “Zuavo Pontifício”. Nome do corpo de infantaria francesa, originalmente recrutado na Argélia, composto por voluntários católicos que se dispuseram a proteger o Papa Bem-aventurado Pio IX contra os revolucionários que invadiram os Estados Pontifícios. Foram acrescidos de voluntários alemães, franceses, belgas, romanos, canadenses, espanhóis, irlandeses e ingleses.

(Autor: Plinio Maria Solimeo, CATOLICISMO


Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. 




quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Lendo as cartas de Santa Bernadette – 1

Manuscrito de Santa Bernadette com um exercício gramatical
Manuscrito de Santa Bernadette com um exercício gramatical
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Maria Bernarda, ou Bernadette nasceu em Lourdes, nos contrafortes dos Pirineus franceses, no dia 7 de janeiro de 1844.

Seus pais eram patrões de moinho e tinham tido certa abastança, mas que, por sua facilidade em perdoar as dívidas, acabaram caindo na miséria.

A vida de Bernadette resume-se em praticar o que lhe recomendou a Santíssima Virgem: rezar, especialmente o Rosário, e fazer penitência pelos pecadores.

Por isso, tendo entrado posteriormente no convento das Irmãs da Caridade de Nevers, sua oração frequente era:
“Ó Jesus! Ó Maria! Fazei que todo meu consolo neste mundo consista em amar-vos e sofrer pelos pecadores.

“Que eu mesma seja um crucifixo vivente, transformada em Jesus. [...] Tenho que ser vítima [...] Levarei com valentia e generosidade a cruz oculta em meu coração. Minha ocupação é sofrer”.(1)
Analfabeta até os 14 anos, em sua humildade ela se considerava pouco inteligente e capaz. Por isso dizia:
“Posto que não sei nada, posso pelo menos rezar o Rosário e amar a Deus com todo o coração. E, ademais, a Santíssima Virgem recomendou tanto que rogasse pelos pecadores!”.

“Tenho necessidade do socorro das almas boas”

Nada melhor para se conhecer a vida de um santo do que através de suas próprias palavras.

Possuímos mais de 100 cartas da santa de Lourdes que dão testemunho de uma inteligência viva, alegre e perspicaz.

Assim, na primeira delas, dirigida a um fervoroso devoto de Lourdes, a santa lhe pede que reze por ela a Nossa Senhora, para alcançar-lhe
“a graça de corresponder fielmente a todos os desígnios de Deus sobre mim. Eu sou, senhor, muito fraca.

“Tenho grande necessidade do socorro das preces das almas boas, para não abusar do favor que recebi do Céu, apesar de indigna” (Carta de 3 de dezembro de 1862 a Don Antonio Morales, p. 23).(2)

Alta compreensão da vocação religiosa

Santa Bernadette compreendia bem a vida religiosa. Pelo que escreve a seu irmão João Maria, que queria tornar-se religioso, pode-se compreender como ela vivia sua consagração a Deus:

“Lembremo-nos frequentemente desta palavra do divino Mestre que nos diz: ‘Eu não vim para ser servido, mas para servir’. Isso parece duro e difícil à natureza, mas quando se ama bem a Nosso Senhor, tudo se torna fácil.

“Quando alguma coisa nos custa, digamos em seguida: ‘tudo para vos agradar, ó meu Deus, e nada para me satisfazer’.

“Este outro pensamento me fez também muito bem: ‘fazer sempre o que mais nos custa’; isso me ajudou a me sobrepor a muitas pequenas repugnâncias” (Carta a João Maria, de 21 de abril de 1870, p. 63).
Santa Bernadette religiosa em Nevers
Santa Bernadette religiosa em Nevers

Grande devoção à Sagrada Eucaristia

Sobre sua devoção à Sagrada Eucaristia, encontramos um exemplo na carta que escreve às suas primas, que se preparavam para fazer a Primeira Comunhão:

“Ó minhas queridas crianças! É necessário se ter um coração de anjo para receber Nosso Senhor como Ele merece! Fazei-o pelo menos com a maior fé, humildade e amor que vos seja possível.

“E, assim que Nosso Senhor estiver em vosso coração, abandonai-vos a Ele, e gozai em paz as delícias de sua presença. Amai-O, adorai-O, ouvi-O, louvai-O, eu diria mesmo, desfrutai-O.

“Ó feliz momento! Só a eternidade nos reserva alegrias maiores” (Carta às suas primas, por volta de 1875, p.102).

A seu irmão mais novo, Pedro, que também iria fazer a Primeira Comunhão, ela escreve:
“Não é preciso dizer, meu querido irmãozinho que, daqui para frente, teu coração, teu espírito, tua alma, não devem ocupar-se senão de um pensamento: o de fazer de teu coração a morada de um Deus.

“Oh! Sim, é necessário que esse bom Salvador esteja continuamente presente em teu pensamento, e pedir-Lhe que Ele mesmo prepare sua morada, a fim de que não falte nada à sua chegada” (Carta a seu irmão Pedro Bernardo, de 23 de maio de 1872, p. 80).

Sobre a alegria de poder comungar, ela confidencia também à sua irmã Maria:

“Nosso Senhor é tão bom! Eu tive a felicidade de O receber durante toda minha doença três vezes por semana em meu pobre e indigno coração.

“A cruz se tornava mais leve e os sofrimentos doces, quando eu pensava que teria a visita de Jesus, e o insigne favor de O possuir em meu coração” (Carta de 28 de abril de 1873, pp. 85-86).

Continua no próximo post: Lendo as cartas de Santa Bernadette Soubirous – 2

Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. 

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

O milagre do terço em Hiroshima:
Nossa Senhora de Fátima salvou os missionários

Os padres Hugo Lassalle (Superior dos jesuítas no Japão), Hubert Schiffer,
Wilhelm Kleinsorge e Hubert Cieslik [assinalados no círculo da foto]
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






No dia 6 de agosto de 1945, solenidade da Transfiguração de Nosso Senhor e praticamente no fim da II Guerra Mundial, a aviação americana lançou sobre a cidade de Hiroshima, no Japão, a bomba atômica “Little Boy”, de urânio, que provocou a morte de 140 mil pessoas, mais de 70 mil feridos, e grande parte da cidade destruída.

Três dias depois, a mesma aviação lançou a bomba nuclear de plutônio, “Fat Man”, sobre a cidade de Nagasaki. Essa bomba destruiu a catedral da Imaculada Conceição, matando muitos católicos que estavam no templo.

Foi a primeira e única vez em que armas nucleares foram usadas contra alvos civis.

Devido à radiação, entre dois a quatro meses após os ataques atômicos, os efeitos agudos das explosões mataram entre 90 e 166 mil pessoas em Hiroshima, e 60 a 80 mil em Nagasaki.

Durante os meses seguintes, várias pessoas morreram por causa do efeito de queimaduras, envenenamento radioativo e outras lesões, que foram agravadas pelos efeitos da radiação.

Nesse terrível cenário, ocorreu nessa cidade um fato surpreendente, que passou a ser conhecido como o “Milagre de Hiroshima”: quatro sacerdotes jesuítas alemães sobreviveram à catástrofe, inclusive a seus efeitos, apesar de estarem muito perto do local onde a bomba explodiu.

Pe. Hubert Schiffer SJ
Esses religiosos eram os padres Hugo Lassalle (Superior dos jesuítas no Japão), Hubert Schiffer, Wilhelm Kleinsorge e Hubert Cieslik.

No momento da explosão, eles se encontravam na casa paroquial da igreja de Nossa Senhora da Assunção, um dos poucos edifícios que resistiu à bomba.

Um dos sacerdotes estava celebrando a Santa Missa, outro tomava o café da manhã e os demais se encontravam em dependências da paróquia.

O edifício religioso sofreu apenas danos menores, como vidros quebrados, conforme escreveu o Pe. Hubert Cieslik em seu diário, mas nenhum dano em consequência da energia atômica liberada pela bomba.

O Pe. Schiffer escreverá depois o livro O Rosário de Hiroshima, no qual narra tudo o que lhes sucedeu naqueles dias fatídicos.

Os religiosos atribuem sua preservação a uma proteção particular da Santíssima Virgem, pois “vivíamos a mensagem de Fátima e rezávamos juntos o Rosário todos os dias”.

Quando, mais tarde, esses jesuítas receberam tratamento médico, foi-lhes dito que devido à radiação eles teriam lesões graves, enfermidades, e inclusive uma morte prematura.

Porém, contra todas as expectativas, tal não sucedeu. Nenhum deles teve qualquer transtorno físico.

Pelo contrário, em 1976 — 31 anos depois do lançamento da bomba —, o Pe. Schiffer participou do Congresso Eucarístico de Filadélfia, onde relatou sua história.

Ele confirmou que os quatros jesuítas ainda viviam, sem nenhuma enfermidade.

Isso foi comprovado por dezenas de médicos que os examinaram cerca de 200 vezes nos anos posteriores, não encontrando qualquer sinal da radiação em seus corpos.

Catedral da Assunção de Nossa Senhora, em HIroshima, o novo templo hoje
Catedral da Assunção de Nossa Senhora,
em HIroshima, o novo templo hoje
O Pe. Hugo Lassalle continuou em Hiroshima, e em 1948 naturalizou-se japonês com o nome Enomiya Mabiki.

De passagem por Roma, recebeu do Papa Pio XII autorização para recolher fundos destinados a reconstruir a igreja dedicada à Assunção de Nossa Senhora.

Em 1959, com a elevação de Hiroshima a diocese pelo Papa João XXIII, ela passou a ser catedral.

Sua construção começou em 1950 e foi concluída no dia 6 de agosto de 1954, nove anos após a explosão da bomba atômica.

É preciso dizer que a rendição do Japão se daria na solenidade da Assunção da Virgem aos Céus, 15 de agosto de 1945, poucos dias depois da explosão das bombas atômicas.

Hiroshima foi reconstruída totalmente, com aquela tenacidade própria aos filhos do Sol Nascente, contando hoje com mais de um milhão e cem mil habitantes.


(Fonte: ACIPrensa)



VEJA O QUE ACONTECE EM LOURDES NA PÁGINA ESPECIAL DE VÍDEOS -- CLIQUE AQUI



Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário.

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Nossa Senhora de Lourdes, a Imaculada Conceição, porá fim ao caos

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Impossível pensar na Virgem Imaculada sem lembrar a serpente cuja cabeça Ela esmaga triunfal e definitivamente com o calcanhar.

O espírito revolucionário que hoje degrada o mundo é o próprio espírito do demônio.

Seria impossível, para uma pessoa de fé, não reconhecer a parte que o demônio tem no aparecimento e na propagação dos erros da Revolução.

Desde a catástrofe religiosa do século XVI que foi o protestantismo até a catástrofe política do século XVIII que foi a Revolução Francesa, e tudo quanto nesta se seguiu até hoje, comunismo e caos, o demônio foi agente decisivo.

Mas em Lourdes, Nossa Senhora confirmou o dogma da Imaculada Conceição.

E dessa maneira o poder das trevas viu afirmado o triunfo de sua máxima, invariável, e inflexível inimiga, e sofreu a mais horrível das humilhações.

Desde então, ouve-se um concerto de vozes humanas e de rugidos satânicos por todo o mundo, semelhante a uma imensa e fragorosa tempestade contra Lourdes e a Imaculada Conceição.

Esse coro infernal não só se faz ouvir mas de exprime em maus costumes. E até o ostenta os mais perversos vícios.

Contra essa tempestade de paixões inconfessáveis, de ódios ameaçadores, de desesperos furiosos, se erguia só e intrépida, a figura do Vigário de Cristo que então reinava gloriosamente sobre a Igreja: o bem-aventurado Papa Pio IX.

Naquele momento a Igreja estava desprovida de todos os recursos da terra.

Ela confiava apenas no auxílio do Céu e não compactuava com os erros, os males e os mais perversos costumes morais.

Ela era a fonte da clareza para os verdadeiros católicos. E essa clareza da doutrina e a pureza dos costumes, transmitia ao povo um júbilo indizível.

Jesus acorda e acalma a tempestade no Lago de Genesaré. Nicolò Circignani (1520-1597) 'Pomarancio', na Torre dei Venti, Vaticano
Jesus acorda e acalma a tempestade no Lago de Genesaré.
Nicolò Circignani (1520-1597) 'Pomarancio', na Torre dei Venti, Vaticano
Poderíamos comparar essa alegria universal ao júbilo dos Apóstolos vendo que na tempestade desencadeada no Lago de Genesaré, se erguia a figura divinamente varonil do Salvador.

E ele comandou soberanamente sobre os ventos e o mar: “Venti et mare oboediunt ei” (Mt. 8, 27).

Quer dizer, “Admirados, diziam: Quem é este homem a quem até os ventos e o mar obedecem?” (São Mateus)

Hoje estamos no maior caos e na tempestade mais infernal que padeceu a Igreja.

Mas, podemos aguardar que a Esposa Mística de Cristo se levante e mande – tal vez em meio a terríveis castigos – que o furacão do caos acabe de vez.

Nossa Senhora de Lourdes, a Imaculada Conceição, Mãe e Rainha da Igreja, tem os poderes de Cristo para decretar o fim do infernal caos revolucionário em que mergulhamos.

Por nossos pecados, aliás. Mas Ela é Mãe de misericórdia e podemos confiar em seu perdão que não falta nunca.

VEJA O QUE ACONTECE EM LOURDES NA PÁGINA ESPECIAL DE VÍDEOS -- CLIQUE AQUI



Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário.

terça-feira, 14 de agosto de 2018

A Assunção: prêmio pelos sofrimentos da co-redenção

Assunção, Fra Angelico  (1395 – 1455), Google Cultural Institute.
Assunção, Fra Angelico  (1395 – 1455), Google Cultural Institute.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Nosso Senhor quis Ele mesmo subir aos céus contemplado pelos homens. Mas, também quis que a Assunção de Nossa Senhora para o Céu, depois da dEle, se desse diante do olhar humano.

Por quê?

Era preciso que a Ascensão fosse vista por homens que pudessem dar testemunho desse fato histórico duplo: não só de que Nosso Senhor ressuscitou, mas de que tendo ressuscitado Ele subiu aos céus.

Subindo ao Céu, Ele abriu o caminho para as incontáveis almas que estavam no Limbo esperando a Ascensão para irem se assentar à direita do Padre Eterno.

Antes de Nosso Senhor Jesus Cristo ninguém podia entrar no Céu. Ali só os anjos estavam lá.

Então Nosso Senhor, na Sua Humanidade santíssima, foi a primeira criatura – porque Ele ao mesmo tempo era Homem-Deus – que subiu aos Céus.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Sacerdotes australianos
preferem prisão a violar o secreto da confissão

Simpósio da Fraternidade Australiana do Clero Católico: o segredo sacramental “é Lei Divina, que a Igreja não tem poder para dispensar”.
Simpósio da Fraternidade Australiana do Clero Católico: o segredo sacramental
“é Lei Divina, que a Igreja não tem poder para dispensar”.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O Pe. Michael Whelan, pároco de St. Patrick, em Sydney, esclareceu de público que o Estado não pode constranger os sacerdotes católicos a praticarem o mais grave dos crimes. “Não estou disposto a isso”, disse.

E acrescentou que ele e outros sacerdotes estão “dispostos a ir ao cárcere” antes que romper o segredo de confissão, noticiou a agência ACIPrensa.

A Igreja não está por cima da lei, mas “quando o Estado mina a essência do que significa ser católico, resistiremos”.

O Pe. Whelan falou após a Assembleia Legislativa do Território de Canberra aprovar lei obrigando os sacerdotes a transgredir o segredo da confissão nos casos envolvendo algum abuso sexual. A norma entrará em vigor no dia 31 de março de 2019.

O Território de South Australia aprovou lei similar e Nova Gales do Sul estuda norma parecida.

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Fogo devora carro,
mas Teca para a Eucaristia fica intacta

Teca intacta em carro consumido pelo fogo, Paróquia Santa Rita de Cássia, Franca - SP.
Teca intacta em carro consumido pelo fogo,
Paróquia Santa Rita de Cássia, Franca - SP.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Um fato inacreditável para quem não tem Fé católica deu-se em Franca cidade do interior paulista: um carro ficou carbonizado pelas chamas quando levava uma teca (caixinha metálica onde é levada a Hóstia consagrada, para um doente por exemplo).

Sobre um banco do veículo, junto com a teca, ia uma folha com orações e um Terço.

E eis que esses três objetos sagrados não foram consumidos pelo fogo e ficaram intactos sobre o quase irreconhecível banco.

A surpresa inicial foi dos bombeiros que quando terminaram de apagar o fogo se depararam no interior carbonizado do carro a teca perfeitamente intacta. Não houve feridos.

As fotos foram postadas numa rede social e o sentimento geral é de que se está diante de um milagre, informou a imprensa

A teca pertence à igreja de Santa Rita de Cássia, e quando se deu a ocorrência era custodiada por uma ‘ministra extraordinária da Eucaristia’ que pegaria a Eucaristia na igreja e levaria para um doente.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Nossa Senhora disse: “Eu sou a Imaculada Conceição”. Por que os inimigos da Igreja se sentem mal com isso?

No dialeto de Santa Bernadette significa: "Eu sou a Imaculada Concepção"
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Em 8 de dezembro de 1854, atendendo aos anseios mais profundos de toda Igreja, o Papa Beato Pio IX proclamou como dogma de fé a Imaculada Conceição de Maria.

Foi um dos atos mais altos do pontificado do bem-aventurado Papa Pio IX.

Há três razões pelas quais a definição deste dogma é odiosa aos inimigos da Igreja.

Primeira razão: um dogma anti-igualitário

Este dogma ensina que Nossa Senhora foi concebida sem pecado original, desde o primeiro instante de seu ser.

O que quer dizer que Ela em nenhum momento teve nenhuma nódoa do pecado original.

A lei inflexível pela qual todos os descendentes de Adão e Eva, até o fim do mundo, teriam o pecado original, essa lei se suspendeu no que diz respeito à Nossa Senhora e naturalmente ao que diz respeito à humanidade santíssima de Nosso Senhor Jesus Cristo.

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Médico de Lourdes responde sobre curas e milagres (3, final)

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Continuação do post anterior: Curas milagrosas: depoimento do médico responsável de Lourdes (2)



Catolicismo — As pessoas que foram curadas em Lourdes também têm a percepção disso?

Dr. Patrick Theillier — Narro-lhe a história de um senhor de 67 anos, que veio aqui contar-me uma cura que ele obteve em 1963, exatamente há 40 anos, mas que ele nunca esqueceu.

Durante o serviço militar na Argélia, ele foi atingido por uma doença chamada sacro-coxalgia tuberculosa. Propuseram-lhe de vir a Lourdes, quando ele já estava havia vários meses no Hospital Militar de Bordeaux, repatriado por causa da doença. É preciso dizer que ele tinha sido declarado, pelo sistema de saúde francês, como 100% inválido, beneficiando-se com a aposentadoria correspondente a isso.

Chegando aqui, sugeriram-lhe ir banhar-se nas águas de Lourdes. Ele aceitou, mas como havia um gesso de seu pescoço até os pés, impossível de ser retirado, foi apenas aplicada do lado de fora do gesso, no local dolorido, uma esponja umedecida.

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Curas milagrosas: depoimento do médico responsável de Lourdes (2)

Catherine Latapie, primeiro milagre reconhecido de Lourdes
Catherine Latapie, primeiro milagre reconhecido de Lourdes




continuação do post anterior: Curas milagrosas: depoimento do médico responsável do Bureau Médico de Lourdes



Catolicismo — Qual foi o primeiro milagre reconhecido oficialmente?

Dr. Patrick Theillier — O primeiro milagre foi o de Catherine Latapie, que era uma mulher de 38 anos. Ela tinha dado à luz quatro filhos, dois já haviam morrido. Na noite de 28 de fevereiro para o dia 1º de março 1858, sentiu a necessidade de vir à Gruta de Massabielle [que e o nome da gruta onde Nossa Senhora apareceu].

Dois anos antes, ela caíra de uma árvore e tinha uma paralisia cubital no braço direito, que a atrapalhava enormemente em suas atividades. Além disso, ela estava grávida. Apesar disso tudo, não hesitou em vir durante a noite para assistir à aparição que aconteceu naquele dia — a décima segunda.

Quando tudo tinha terminado, ela subiu na gruta, pois naquela época era preciso escalar um pouco. E encontrou a fonte em que, três dias antes, Nossa Senhora tinha pedido a Santa Bernadette para lavar-se. A Sra. Latapie colocou a mão, e logo em seguida ficou com o uso completo do braço direito. Partindo de volta a pé para casa, a seis quilômetros da gruta, ela sentiu as dores do parto e deu à luz um filho que se chamou Jean-Baptiste. Mais tarde ele tornar-se-ia padre.

Catolicismo — Quantos milagres foram reconhecidos até hoje?

Dr. Patrick Theillier — Sessenta e seis milagres [N.R.: posterior a este entrevista foram reconhecidos mais alguns, como o de Anna Santaniello. Conferir lista completa na coluna à esquerda] foram reconhecidos oficialmente pela Igreja.

Seria bom explicar que é sempre o bispo da diocese, da qual vem a pessoa que foi curada, que reconhece o milagre. Portanto, não é o Papa nem o Vaticano, e tampouco o bispo da diocese de Tarbes-Lourdes. Pelo mundo inteiro, o bispo local é quem recebe o dossiê reconhecido pela medicina.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Curas milagrosas: depoimento do médico responsável do Bureau Médico de Lourdes

Dr. Patrick Theillier, diretor do Bureau Médico  de Lourdes desde 1998 até 2009
Dr. Patrick Theillier, diretor do Bureau Médico
de Lourdes desde 1998 até 2009
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Tal vez ninguém esteja melhor posicionado para falar dos milagres de Lourdes do ponto de vista estritamente clínico que o próprio médico, até pouco responsável do Bureau Médico de Lourdes, Dr. Patrick Theillier.

Formado pela Faculdade de Lille, no norte da França, especialista do aparelho digestivo, trabalhou na Cooperação Militar no Marrocos como Médico Responsável do Hospital de Targuist.

Foi professor de cursos de Homeopatia na Universidade de Lille e é detentor de diplomas de Medicina do Trabalho Agrícola, Acupuntura e Homeopatia.

Desde abril de 1998 foi médico permanente do Santuário de Lourdes, Presidente da Association Médical International de Lourdes (AMIL) e redator-chefe do Boletim da AMIL (trimestral de 10.000 assinantes, divulgado em cinco línguas), até sua aposentadoria em 10 de fevereiro de 2009.

Seu sucessor é o pediatra italiano Dr. Alessandro di Franciscis, doutorado em epidemiologia pela Universidade de Harvard.

Autor de dois livros: Une nouvelle approche biomédicale des maladies chroniques: l’endothérapie multivalente (juntamente com o Doutor Michel Geffard), publicado em 2000 por F-X de Guilbert; e Et si on parlait des miracles..., editado em 2001 por Presses de la Renaissance, Paris, traduzido em Portugal com o título E se falássemos sobre... Milagres? pela editora Sopa de Letras.

O Dr. Theillier recebeu ao enviado especial da revista de cultura católica CATOLICISMO, Sr. Miguel da Costa Carvalho Vidigal, no próprio Consultório Médico de Lourdes. Nessa entrevista, que acrescentamos aqui na íntegra, há dados inéditos que interessarão profundamente a nossos leitores.

Catolicismo — O Sr., como responsável pelo Consultório Médico de Lourdes, poderia explicar aos leitores de Catolicismo o trabalho que realiza aqui?

Dr. Patrick Theillier — Inicialmente, o trabalho consiste em receber os peregrinos, os doentes, que supõem ter sido beneficiados por uma graça de cura por intercessão de Nossa Senhora de Lourdes. São eles próprios que o dizem e vêm testemunhar esse fato. Eu anoto e procuro investigar se existe a possibilidade de que essa cura seja reconhecida como milagrosa. É a primeira etapa.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Assustadora enchente em Lourdes nos ensina que perto de Nossa Senhora não há nada a temer

A correnteza superou o muro de contenção
e as defesas foram instaladas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





A Gruta de Lourdes amanheceu hoje, 13 de junho 2018, invadida por até um metro de água.

O rio de Pau – conhecido como ‘Gave’ – desbordou superando o muro canalizador e alagou toda a Gruta e a área diante dela.

A correnteza foi muito forte e até assustadora. A cidade e localidades vizinhas também sofrem os danos.

Um esquema de segurança concebido em função de inundações de anos anteriores, como a de junho de 2013, começou a ser instalado na calada da noite, pois a invasão das águas já se vinha vir.

A ocorrência não é nova. Até está previsto acontecer com certa regularidade. E a atual começou a tomar dimensão na segunda-feira quando o nível do Gave começou a subir brutalmente segundo registrou o site Franceinfo.tv.

A própria Gruta teria sido escavada no morro precisamente por fenômenos como este acontecidos ao longo dos séculos especialmente na época das fortes chuvas de primavera nos Pirineus.

Nesses momentos, o rio Gave engrossa perigosamente.

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Como nasceu o Bureau Médico de Lourdes
para analisar cientificamente os milagres

O Dr Patrick Theillier foi responsável do Bureau Médico de Lourdes durante muitos anos
O Dr Patrick Theillier foi responsável do
Bureau Médico de Lourdes durante muitos anos
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






A ofensiva de críticas e calúnias forçou a criação de um setor médico para apurar a autenticidade das curas sobre bases estritamente científicas.

Para cortar o passo às más interpretações iniciais, em 28 de julho de 1858 — ou seja, doze dias após a última aparição — o bispo diocesano, D. Laurence, nomeou uma “comissão encarregada de constatar a autenticidade e a natureza dos fatos que têm acontecido... numa gruta no oeste da cidade de Lourdes”.

Foi o ponto de partida do atual Bureau Médico de Lourdes.

Com ele, o espírito naturalista e de orgulho revolucionário haveria de sofrer outro revés.

Pois o Bureau passou a constatar, com base em critérios muito rígidos, que o inexplicável naturalmente — o milagre — acontece para aqueles que apelam à graça da Virgem Santíssima, que esmaga sob seus pés o pai de todas as revoltas, Satanás.

O atual Bureau Médico de Lourdes apura, apenas do ponto de vista médico, se as curas alegadas pelos fiéis são explicáveis ou não pela ciência.

Se não o são, o Bureau encaminha a conclusão do inquérito ao Bispo da diocese do miraculado.

O Prelado então decide se reconhece oficialmente ou não o milagre.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Origem, história e signficado
da festa de Corpus Christi

No século XIII nasceu um Movimento Eucarístico que deu origem à Exposição e Bênção do Santíssimo Sacramento





Na Idade Média, os homens tinham uma devoção enlevada pela pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Para libertar seu túmulo dos pagãos muçulmanos fizeram cruzadas.

A história da festa de Corpus Christi tem origem nessa devoção.

Pelo fim do século XIII, na Abadia de Cornillon, em Lieja, Bélgica, nasceu um Movimento Eucarístico que deu origem à Exposição e Bênção do Santíssimo Sacramento, o uso dos sinos na elevação na Missa e a própria festa do Corpus Christi.

A abadessa Santa Juliana de Mont Cornillon ardia em desejos de que o Santíssimo Sacramento tivesse uma festa especial.

Ela teve uma visão em que a Igreja aparecia como uma lua cheia com uma mancha negra, sinal da ausência da solenidade.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Lourdes na festa de Nossa Senhora Auxiliadora

Maria Auxiliadora na basílica de Maria Ausiliatrice, Turim
Maria Auxiliadora na basílica de
Maria Ausiliatrice, Turim
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Nesta festa, do dia 24 de maio, peçamos a Nossa Senhora prepare nossas almas para receber o chamado para a outra vida no momento em que mais compraza a Ela

No momento em que Ela tenha ocasião de ser mais especialmente nosso auxílio na hora suprema.

Na hora em que nós avançarmos para sermos julgados, que Ela nos dê em um minuto tudo aquilo que nós possamos ter recusado durante nossa minha vida.

E de maneira a realizar o ideal de nós mesmos que deveríamos ter realizado na nossa vida toda.

Ser na hora em que eu comparecerei diante dEla tudo aquilo que Ela queria que eu fosse quando eu fui criado.

Nada na vida me faz falta a não ser notar que eu não sou aquilo que inteiramente eu deveria ser.

A toda a hora nós ouvimos falar que em torno de nós estão se avolumando eventos tremendos.

Porque a Bondade Suprema de Deus está sendo recusada e acalcada aos pés.

De todos os lados o Brasil dá impressão de um tecido velho, corrompido, que vai sendo puxado e vai-se rasgando.

Se o Brasil inteiro soubesse se voltar a Nossa Senhora com uma frequência muito maior.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Oração a Nossa Senhora de Lourdes

A todos os homens vão a Vós, Vós os curais
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Ó Minha Senhora e minha Mãe, Vós manifestastes em Lourdes a grandeza de vosso poder e a imensidade de vossa bondade e por isso todos os homens vão a Vós e Vós os curais.

Fazei-me compreender, minha Mãe, que, no sentido espiritual, toda a Igreja Católica é uma Lourdes.

Que ali Vós vos manifestais aos homens, e os curais.

Quantas enfermidades levo na minha alma mesmo dentro da Santa Igreja para a qual me chamastes tão misericordiosamente!

E, entretanto, vós que sois a Imaculada Conceição, já vais me curando e a todos os que a Vós imploram com o coração contrito e humilhado.

Concedei-me a graça que vos peço (fazer o pedido).

Não permitais que nunca mais eu me separe de Vós, é o que Vos peço do fundo de minha alma.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Em Lourdes: duas atitudes da Providência diante do sofrimento humano

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Nós vemos em Lourdes duas atitudes da Providência diante do sofrimento humano. E estas duas atitudes têm sua razão de ser, apesar de parecerem até contraditórias, dentro da perfeição dos planos divinos.

De um lado, o que mais chama atenção em Lourdes é Nossa Senhora que tem pena do sofrimento dos homens, atende aos rogos deles e pratica milagres para os livrar das dores que eles sofrem.

Vemos Nossa Senhora que tem pena das almas, e para provar que a Fé Católica é verdadeira, pratica milagres e opera conversões.

Mas, de outro lado, nós vemos em Lourdes outro aspecto. E são os inúmeros doentes que vão a Lourdes, e voltam sem ter sido curados.

Por quê razão Nossa Senhora opera a cura de uns e não opera a cura de outros? Qual é o mistério?

Porque é muito fácil a gente compreender que alguns sejam curados. Mas, qual é o mistério pelo qual outros não são curados?

Nisso também Nossa Senhora nos dá um grande ensinamento.

Porque Ela mostra, pela bondade dEla em Lourdes, que Ela é nossa Mãe, que Ela tem pena de nós, que Ela quer e pode praticar maravilhas por nós, e Ela as pratica.

E, entretanto, a maior parte dos doentes que vão lá voltam sem ter sido curados.

Qual é então a razão de ser disto? Qual é a razão mais profunda desse fato?

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Em São Paulo,
um elo de ouro entre Lourdes e o Brasil

Imagem de Na. Sra. de Lourdes
venerada na Igreja do Sagrado Coração de Jesus,
em São Paulo, bairro Campos Elísios.
[Foto Paulo Roberto Campos] 
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Nossa Senhora de Lourdes desejou ser conhecida enquanto sumamente benfazeja.

Assim, sugiro pensarmos numa grande graça para pedir a Ela.

Devemos ser ousados em nossas orações, pedir coisas arrojadas, não coisas insensatas, e pedir com muita insistência.

Por exemplo, pedir uma graça que diga respeito à santificação, e depois algo que se queira de temporal, mas que Ela nos conceda se for para o bem de nossas almas.

Isso nos leva a refletir no panorama de nossa vida espiritual, a ter uma visão de nós mesmos e de nossas atividades.

Na igreja do Sagrado Coração de Jesus [na capital paulista] há uma gruta com uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes.

Não é uma imagem qualquer, é a própria imagem que era venerada na Basílica de Lourdes, na França, antes da imagem atual, segundo documento guardado na igreja.

Portanto, essa imagem constitui um elo entre Lourdes e o Brasil.