quarta-feira, 18 de julho de 2018

Nossa Senhora disse: “Eu sou a Imaculada Conceição”. Por que os inimigos da Igreja se sentem mal com isso?

No dialeto de Santa Bernadette significa: "Eu sou a Imaculada Concepção"
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Em 8 de dezembro de 1854, atendendo aos anseios mais profundos de toda Igreja, o Papa Beato Pio IX proclamou como dogma de fé a Imaculada Conceição de Maria.

Foi um dos atos mais altos do pontificado do bem-aventurado Papa Pio IX.

Há três razões pelas quais a definição deste dogma é odiosa aos inimigos da Igreja.

Primeira razão: um dogma anti-igualitário

Este dogma ensina que Nossa Senhora foi concebida sem pecado original, desde o primeiro instante de seu ser.

O que quer dizer que Ela em nenhum momento teve nenhuma nódoa do pecado original.

A lei inflexível pela qual todos os descendentes de Adão e Eva, até o fim do mundo, teriam o pecado original, essa lei se suspendeu no que diz respeito à Nossa Senhora e naturalmente ao que diz respeito à humanidade santíssima de Nosso Senhor Jesus Cristo.

De maneira que Nossa Senhora não ficou sujeita às misérias a que estão sujeitos os homens.

Ela não tinha maus impulsos, más inclinações, más tendências que os homens tem.

Tudo nEla corria harmonicamente para a verdade e para o bem; tudo nEla era o movimento para Deus.

Por isso, Nossa Senhora é o exemplo perfeito da liberdade, no sentido de que tudo quanto a razão, iluminada pela fé, lhe indicava, Ela queria inteiramente e não encontrava em si nenhuma espécie de obstáculo interior.

A graça, por outro lado, A acumulava e Ela era cheia de graça.

De maneira que o ímpeto com que todo o ser dela se voltava para o tudo o que é verdade, tudo o que era bem, era verdadeiramente indizível.

Ora, ensinar que uma mera criatura humana – como foi Nossa Senhora – tivesse esse privilégio extraordinário, isso era fundamentalmente anti-igualitário.

E definir esse dogma era proclamar uma tal desigualdade na obra de Deus, uma tal superioridade de Nossa Senhora sobre todos os outros seres, que evidentemente haveria de fazer espumar de ódio todos os espíritos igualitários.

Segunda razão: a pureza imaculada de Nossa Senhora

Mas havia uma razão ainda mais profunda para que a Revolução odiasse esse dogma.

Santa Bernadette imitava os gestos de Nossa Senhora. E os presentes imitavam o gesto da Santa. Vitral da basílica da Imaculada Conceição, Lourdes.
Santa Bernadette imitava os gestos de Nossa Senhora.
E os presentes imitavam o gesto da Santa.
Vitral da basílica da Imaculada Conceição, Lourdes.
O revolucionário é um simpatizante do mal, e ele tem alegria quando encontra em alguém um traço de mal.

O revolucionário tem, pelo contrário, muito pesar quando ele vê uma pessoa em que ele não percebe um traço de mal.

Porque ele sendo ruim ele sente simpatia e harmonia com aquilo que é ruim e ele procura encontrar o mal em tudo.

Ora, a ideia de que um ser tão excelsamente bom e santo, desde o primeiro instante de seu ser, haveria de causar ódio num revolucionário. Evidentemente!

Por exemplo, imagine a situação de um indivíduo perdido de impureza, um verdadeiro porco.

Ele sente as inclinações impuras que o levam para todo lado.

Ele sente, naturalmente, a depressão que essas inclinações impuras causam nele, máxime porque elas têm o consentimento dele.

Evidentemente ele se sente todo deteriorado pela concessão que ele fez.

Agora, imagine-se um homem desses considerando Nossa Senhora que não tinha nenhuma apetência para a impureza, que era toda Ela feita da mais transcendental pureza.

Ele sente evidentemente uma antipatia e um ódio, porque o seu orgulho fica esmagado pela pureza imaculada daquela a respeito da qual ele está pensando.

Imaculada Conceição,
Stone, Staffordshire, Inglaterra
Então, definir uma tal ausência de orgulho, uma tal ausência de sensualidade, uma tal ausência de qualquer prurido de Revolução neste ser privilegiado, era afirmar que a Revolução é objeto de um tal repúdio da parte de Nossa Senhora, que facilmente se compreende como tem que doer e tem que causar ódio a uma pessoa revolucionária.

Dissolvendo a doutrina dos católicos desviados


Por isso, mesmo dentro da Igreja, houve duas correntes. Uma corrente que combateu a Imaculada Conceição, e outra corrente que era favorável à Imaculada Conceição.

Naturalmente seria um exagero dizer que todo mundo que combateu a Imaculada Conceição é porque estava trabalhando por pruridos revolucionários.

Mas é fato que todo mundo que estava trabalhando por pruridos revolucionários combateu a Imaculada Conceição.

É fato também que todos aqueles que lutaram a favor da Imaculada Conceição, defendendo a proclamação do dogma, neste ponto mostravam uma mentalidade contrarrevolucionária.

De maneira que, de algum modo, a luta da Revolução e da Contra-Revolução estava presente no embate entre essas duas correntes teológicas.

Terceira razão do ódio dos inimigos da Igreja contra o dogma da Imaculada Conceição: o exercício da infalibilidade papal

Havia outra razão ainda, que tornava odiosa para os liberais, a definição desse dogma. É que não tinha sido definido ainda o dogma da Infalibilidade Papal.

E Pio IX, antes da definição do dogma da Infalibilidade Papal, fez uma consulta a uma série de teólogos e aos bispos do mundo, e depois, com autoridade própria, fazendo uso da Infalibilidade Papal, definiu o dogma da Imaculada Conceição.

O que para os teólogos liberais era uma espécie de declaração de princípios, porque, definindo, ele afirmava que tinha a Infalibilidade Papal.

Tudo isto provocou um estalar de indignações do mundo revolucionário. Foi também um entusiasmo enorme no mundo contrarrevolucionário.

Por toda parte começaram a aparecer as meninas batizadas com o nome de Conceição, exatamente em louvor do novo dogma.

De onde uma série de “Conceições” que se vieram multiplicando pelos tempos afora, cujo nome inteiro era “Imaculada Conceição de tal”, e que era a afirmação de que os pais consagravam aquelas meninas à Imaculada Conceição de Nossa Senhora.

Pio IX: exemplo de liderança na luta contra a Revolução

Pio IX – bem diferente de alguns que depois lhe sucederam – levou a investida a tal ponto que conduziu a luta contra todos os erros da Revolução durante todo o tempo do pontificado dele.

Até na Suíça – o foco da forma talvez mais execrável de protestantismo, o calvinismo – teve que se admitir na legislação a construção de uma catedral católica.

Pio IX mandou de presente uma imagem da Imaculada Conceição para ficar no centro de Genebra, para afirmar e proclamar esse dogma.

Este é um belo exemplo da liderança de Pio IX na luta contra a Revolução.

Entre o Beato Pio IX e São Gregório VII há uma analogia. São Gregório VII forçou a curvar-se diante dele um imperador do Sacro Império Romano Alemão.

Pio IX fez uma coisa, talvez, mais árdua e mais extraordinária: forçou a Revolução a curvar-se diante dele, não pedindo perdão, porque a Revolução não pede perdão, mas rugindo de ódio, humilhada e esmagada.

O que ainda é mais bonito do que levar um mau imperador a pedir perdão.

Por isso, é inteiramente apropriado que todos os católicos tenham um carinho especial para o dogma da Imaculada Conceição, que é tão detestado pelos inimigos da Igreja ainda hoje.

Em Lourdes, Nossa Senhora veio dar ganho de causa aos contra-revolucionários e mostrou a falsidade dos inimigos do Papa, do dogma e da desigualdade que Deus estabeleceu legitimamente entre os homens.




Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. 





quarta-feira, 4 de julho de 2018

Médico de Lourdes responde sobre curas e milagres (3, final)

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Continuação do post anterior: Curas milagrosas: depoimento do médico responsável de Lourdes (2)



Catolicismo — As pessoas que foram curadas em Lourdes também têm a percepção disso?

Dr. Patrick Theillier — Narro-lhe a história de um senhor de 67 anos, que veio aqui contar-me uma cura que ele obteve em 1963, exatamente há 40 anos, mas que ele nunca esqueceu.

Durante o serviço militar na Argélia, ele foi atingido por uma doença chamada sacro-coxalgia tuberculosa. Propuseram-lhe de vir a Lourdes, quando ele já estava havia vários meses no Hospital Militar de Bordeaux, repatriado por causa da doença. É preciso dizer que ele tinha sido declarado, pelo sistema de saúde francês, como 100% inválido, beneficiando-se com a aposentadoria correspondente a isso.

Chegando aqui, sugeriram-lhe ir banhar-se nas águas de Lourdes. Ele aceitou, mas como havia um gesso de seu pescoço até os pés, impossível de ser retirado, foi apenas aplicada do lado de fora do gesso, no local dolorido, uma esponja umedecida.


Quando ele voltou ao hospital de Bordeaux e tiraram a radiografia, à qual ele se submetia a cada três semanas, todo mundo ficou surpreso de ver que a sacro-coxalgia estava completamente curada. Ele pôde voltar para casa, mas nunca esqueceu o milagre.

Apesar de ter vivido no Haiti, no Chile e em Ruanda, a cada dois anos ele vinha em peregrinação agradecer a Nossa Senhora de Lourdes com toda sua família. Entretanto, ele nunca tinha vindo ao consultório. Só depois que ele me viu na televisão, veio aqui para descrever, com enorme emoção, a sua história. Foi obrigado diversas vezes a parar, de tanto que chorava ao contar aquilo que tinha vivido 40 anos antes, com pouco mais de 20 anos de idade.


Catolicismo — Alguma cura tocou-lhe especialmente?

Dr. Patrick Theillier — Para ser sincero, todas as curas me tocaram. A que me sensibiliza mais especialmente é sempre a última. Por quê? Simplesmente porque todas as curas são maravilhosas.

Pode-se sentir que as pessoas que foram curadas passaram por algo de sobrenatural, de muito forte. Elas são tocadas por alguma coisa que ultrapassa a natureza, é uma experiência fundadora em suas vidas. E tudo isso é muito emocionante, não há uma mais bela do que outra: todas elas o são.

Catolicismo — Houve casos de médicos que, vindo a Lourdes, se converteram após constatar um milagre?

Dr. Patrick Theillier — Sim, por exemplo o Doutor Aléxis Carrel [Prêmio Nobel de Medicina, 1912] que tinha acompanhado uma doente realmente grave, pois ela estava em estado de coma terminal de uma tuberculose generalizada. Ele assistiu, diante da Gruta, essa doente como que “ressuscitar”.

Foi uma cura extraordinária, mas ele não podia admitir devido à sua formação positivista. Entretanto, no fim da vida, quando ele morreu, foi encontrado um manuscrito, no qual conta sua viagem a Lourdes e reconhece ter assistido a um milagre.

Dr. Sandro De Franciscis, novo responsável pelo Bureau Médico de Lourdes.
Dr. Sandro De Franciscis, novo responsável pelo Bureau Médico de Lourdes.

Catolicismo — O médico responsável por esse Consultório, na época do escritor Émile Zola, manteve uma polêmica com este, não é verdade?

Dr. Patrick Theillier — Com efeito, Zola veio aqui no fim do século XIX, interessado em conhecer, pois falava-se muito de tudo o que se passava em Lourdes. O Dr. Boissarie, um dos meus predecessores, abriu todas as portas do Consultório Médico, e o escritor teve a possibilidade, durante o tempo em que esteve aqui, de assistir a duas verdadeiras curas milagrosas de duas jovens, de quem temos os registros em nosso Consultório até hoje.

Voltando a Paris, Zola escreveu seu livro sobre Lourdes, onde ele conta de um modo impecável esses dois milagres. O problema é que ele transformou a realidade, dizendo que as duas tiveram uma recaída e morreram de suas doenças, o que é absolutamente falso.


O Doutor Boissarie foi a Paris vê-lo, em uma conferência aberta ao público, e interpelou Zola, mostrando que ele tinha modificado a realidade. O escritor respondeu que ele era um romancista, que tinha o direito de colocar o que bem entendesse em seus livros...

Na verdade, as duas meninas foram realmente curadas de suas doenças, nunca tiveram recaídas e eram idosas quando morreram. Sempre é possível modificar a realidade, quando não se quer acreditar. É a liberdade humana...

Catolicismo — Em seu ponto de vista, qual é o sentido dessas curas?

Dr. Patrick Theillier — Acredito que a cura é para todos, não somente reservada a alguns. Caso contrário, seria injusto; poder-se-ia perguntar: por que alguns se curam e outros não?

Somos todos chamados a ser curados, cedo ou tarde, das nossas feridas, dos nossos pecados. É preciso viver na esperança e entender que Deus nos ama, que Ele não está na origem do mal, da doença ou da invalidez. Caso contrário, viveremos como revoltados. 

É preciso entender que Ele sofreu e deu a sua vida por nós e nos salvou. O mais importante é a saúde espiritual, é preciso ver essas curas físicas dentro de uma perspectiva de eternidade, como uma antecipação da ressurreição do nosso corpo.

Fim da entrevista



Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. 


quarta-feira, 27 de junho de 2018

Curas milagrosas: depoimento do médico responsável de Lourdes (2)

Catherine Latapie, primeiro milagre reconhecido de Lourdes
Catherine Latapie, primeiro milagre reconhecido de Lourdes




continuação do post anterior: Curas milagrosas: depoimento do médico responsável do Bureau Médico de Lourdes



Catolicismo — Qual foi o primeiro milagre reconhecido oficialmente?

Dr. Patrick Theillier — O primeiro milagre foi o de Catherine Latapie, que era uma mulher de 38 anos. Ela tinha dado à luz quatro filhos, dois já haviam morrido. Na noite de 28 de fevereiro para o dia 1º de março 1858, sentiu a necessidade de vir à Gruta de Massabielle [que e o nome da gruta onde Nossa Senhora apareceu].

Dois anos antes, ela caíra de uma árvore e tinha uma paralisia cubital no braço direito, que a atrapalhava enormemente em suas atividades. Além disso, ela estava grávida. Apesar disso tudo, não hesitou em vir durante a noite para assistir à aparição que aconteceu naquele dia — a décima segunda.

Quando tudo tinha terminado, ela subiu na gruta, pois naquela época era preciso escalar um pouco. E encontrou a fonte em que, três dias antes, Nossa Senhora tinha pedido a Santa Bernadette para lavar-se. A Sra. Latapie colocou a mão, e logo em seguida ficou com o uso completo do braço direito. Partindo de volta a pé para casa, a seis quilômetros da gruta, ela sentiu as dores do parto e deu à luz um filho que se chamou Jean-Baptiste. Mais tarde ele tornar-se-ia padre.

Catolicismo — Quantos milagres foram reconhecidos até hoje?

Dr. Patrick Theillier — Sessenta e seis milagres [N.R.: posterior a este entrevista foram reconhecidos mais alguns, como o de Anna Santaniello. Conferir lista completa na coluna à esquerda] foram reconhecidos oficialmente pela Igreja.

Seria bom explicar que é sempre o bispo da diocese, da qual vem a pessoa que foi curada, que reconhece o milagre. Portanto, não é o Papa nem o Vaticano, e tampouco o bispo da diocese de Tarbes-Lourdes. Pelo mundo inteiro, o bispo local é quem recebe o dossiê reconhecido pela medicina.

Anna Santaniello doente
Anna Santaniello doente
No entanto, é bom saber que o número de curas declaradas pela medicina é 100 vezes maior do que as reconhecidas pelas autoridades eclesiásticas. Apenas uma cura sobre 100 declarações, em média, é reconhecida de modo oficial.

Catolicismo — Existem casos recentes?

Dr. Patrick Theillier — Claro, sempre aparecem casos novos. Sempre tenho mais ou menos cinquenta casos para estudar. São as curas que foram declaradas nos últimos 10, 12 anos, e que me parecem sérias.

Necessito estudar alguns casos de câncer, por exemplo. Mas há uma dificuldade quanto ao câncer. É uma doença que obrigatoriamente é tratada logo.

Assim, é preciso distinguir aquilo que poderia ser considerado um tratamento, na origem da cura. É um longo trabalho que necessita tempo, estudos. É preciso comparar com outras eventuais curas ocorridas no mundo. Dessa forma, novas declarações aparecem sempre.

Catolicismo — Quanto tempo pode levar para estudar e reconhecer um milagre?

Dr. Patrick Theillier — No mínimo cinco anos, já que não se fala de cura na medicina antes disso. Mas, em geral, de 10 a 12 anos. Recebo mais ou menos 35 declarações por ano, e destas, entre três e cinco serão objeto de uma pesquisa.

Catolicismo — Como o Consultório toma contato com as pessoas curadas?

Dr. Patrick Theillier — Nós aguardamos as solicitações. São as pessoas que tomam contato voluntariamente, seja por telefone, pessoalmente, ou então por correio postal ou eletrônico, tudo é possível.

Há casos também de pessoas que foram curadas somente rezando a Nossa Senhora de Lourdes, sem nunca terem vindo orar diante da Gruta.

Catolicismo — Há um tipo de cura mais freqüente que outros?

Anna Santaniello assistindo doentes após sua cura milagrosa
Anna Santaniello assistindo doentes após sua cura milagrosa
Dr. Patrick Theillier — Não. Existem todos os cenários possíveis, todos os tipos de doenças.

Catolicismo — Quando se vem a Lourdes, pode-se ler e escutar em vários lugares que “o milagre maior que se produz diante da Gruta, ou durante a peregrinação, é o milagre na alma, mais do que o do corpo”. Como o Sr., enquanto médico católico, sente isso?

Dr. Patrick Theillier — Enquanto médico católico, creio que em cada ser humano existe uma dimensão espiritual que é inerente à sua natureza. Somos criados à imagem e semelhança de Deus, existe em nós uma fonte de vida eterna. Considero que a cura física é um sinal da benevolência e da misericórdia de Deus em relação ao doente, ao pecador, mas que não acontece sem uma cura interior.

No Evangelho, todas as curas são sempre acompanhadas de uma cura interior: “Vai, tua Fé te curou”; “A partir de agora não peques mais”, e assim por diante. É, portanto, cura que é sinal de um restabelecimento total da pessoa. Acredito que em Lourdes é assim.

A cura física é a única visível, a única sobre a qual podemos nos debruçar, trabalhar, estudar e precisar, mas todas as curas físicas tocam a pessoa em toda a sua dimensão, seja ela física, psíquica ou espiritual. Posso dizer-lhe que uma pessoa que vive uma cura divina – pois a cura milagrosa é uma cura divina – não esquece nunca, representa algo muito forte na sua existência, há um antes e um depois, isso a toca profundamente.

Essas curas físicas são as únicas visíveis, mas elas devem ser vistas como um sinal das curas invisíveis que têm lugar aqui, e que são talvez mais numerosas e importantes: as curas do coração, da alma, a cura do pecado, a reconciliação com Deus, com os outros e consigo mesmo.

É preciso entender como uma cura interior, uma cura de todas as feridas que nós acumulamos durante nossa existência, e que naquele momento particular precisam ser tratadas e curadas. Assim, acredito que não se pode apenas fixar o lado “prodigioso” do milagre físico — frequentemente maravilhoso, claro — mas procurar o sentido que está escondido atrás dele, que é a cura interior.

continua no próximo post: Médico de Lourdes responde sobre curas e milagres (3, final)



Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. 


quarta-feira, 20 de junho de 2018

Curas milagrosas: depoimento do médico responsável do Bureau Médico de Lourdes

Dr. Patrick Theillier, diretor do Bureau Médico  de Lourdes desde 1998 até 2009
Dr. Patrick Theillier, diretor do Bureau Médico
de Lourdes desde 1998 até 2009
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Tal vez ninguém esteja melhor posicionado para falar dos milagres de Lourdes do ponto de vista estritamente clínico que o próprio médico, até pouco responsável do Bureau Médico de Lourdes, Dr. Patrick Theillier.

Formado pela Faculdade de Lille, no norte da França, especialista do aparelho digestivo, trabalhou na Cooperação Militar no Marrocos como Médico Responsável do Hospital de Targuist.

Foi professor de cursos de Homeopatia na Universidade de Lille e é detentor de diplomas de Medicina do Trabalho Agrícola, Acupuntura e Homeopatia.

Desde abril de 1998 foi médico permanente do Santuário de Lourdes, Presidente da Association Médical International de Lourdes (AMIL) e redator-chefe do Boletim da AMIL (trimestral de 10.000 assinantes, divulgado em cinco línguas), até sua aposentadoria em 10 de fevereiro de 2009.

Seu sucessor é o pediatra italiano Dr. Alessandro di Franciscis, doutorado em epidemiologia pela Universidade de Harvard.

Autor de dois livros: Une nouvelle approche biomédicale des maladies chroniques: l’endothérapie multivalente (juntamente com o Doutor Michel Geffard), publicado em 2000 por F-X de Guilbert; e Et si on parlait des miracles..., editado em 2001 por Presses de la Renaissance, Paris, traduzido em Portugal com o título E se falássemos sobre... Milagres? pela editora Sopa de Letras.

O Dr. Theillier recebeu ao enviado especial da revista de cultura católica CATOLICISMO, Sr. Miguel da Costa Carvalho Vidigal, no próprio Consultório Médico de Lourdes. Nessa entrevista, que acrescentamos aqui na íntegra, há dados inéditos que interessarão profundamente a nossos leitores.

Catolicismo — O Sr., como responsável pelo Consultório Médico de Lourdes, poderia explicar aos leitores de Catolicismo o trabalho que realiza aqui?

Dr. Patrick Theillier — Inicialmente, o trabalho consiste em receber os peregrinos, os doentes, que supõem ter sido beneficiados por uma graça de cura por intercessão de Nossa Senhora de Lourdes. São eles próprios que o dizem e vêm testemunhar esse fato. Eu anoto e procuro investigar se existe a possibilidade de que essa cura seja reconhecida como milagrosa. É a primeira etapa.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Assustadora enchente em Lourdes nos ensina que perto de Nossa Senhora não há nada a temer

A correnteza superou o muro de contenção
e as defesas foram instaladas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





A Gruta de Lourdes amanheceu hoje, 13 de junho 2018, invadida por até um metro de água.

O rio de Pau – conhecido como ‘Gave’ – desbordou superando o muro canalizador e alagou toda a Gruta e a área diante dela.

A correnteza foi muito forte e até assustadora. A cidade e localidades vizinhas também sofrem os danos.

Um esquema de segurança concebido em função de inundações de anos anteriores, como a de junho de 2013, começou a ser instalado na calada da noite, pois a invasão das águas já se vinha vir.

A ocorrência não é nova. Até está previsto acontecer com certa regularidade. E a atual começou a tomar dimensão na segunda-feira quando o nível do Gave começou a subir brutalmente segundo registrou o site Franceinfo.tv.

A própria Gruta teria sido escavada no morro precisamente por fenômenos como este acontecidos ao longo dos séculos especialmente na época das fortes chuvas de primavera nos Pirineus.

Nesses momentos, o rio Gave engrossa perigosamente.

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Como nasceu o Bureau Médico de Lourdes
para analisar cientificamente os milagres

O Dr Patrick Theillier foi responsável do Bureau Médico de Lourdes durante muitos anos
O Dr Patrick Theillier foi responsável do
Bureau Médico de Lourdes durante muitos anos
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






A ofensiva de críticas e calúnias forçou a criação de um setor médico para apurar a autenticidade das curas sobre bases estritamente científicas.

Para cortar o passo às más interpretações iniciais, em 28 de julho de 1858 — ou seja, doze dias após a última aparição — o bispo diocesano, D. Laurence, nomeou uma “comissão encarregada de constatar a autenticidade e a natureza dos fatos que têm acontecido... numa gruta no oeste da cidade de Lourdes”.

Foi o ponto de partida do atual Bureau Médico de Lourdes.

Com ele, o espírito naturalista e de orgulho revolucionário haveria de sofrer outro revés.

Pois o Bureau passou a constatar, com base em critérios muito rígidos, que o inexplicável naturalmente — o milagre — acontece para aqueles que apelam à graça da Virgem Santíssima, que esmaga sob seus pés o pai de todas as revoltas, Satanás.

O atual Bureau Médico de Lourdes apura, apenas do ponto de vista médico, se as curas alegadas pelos fiéis são explicáveis ou não pela ciência.

Se não o são, o Bureau encaminha a conclusão do inquérito ao Bispo da diocese do miraculado.

O Prelado então decide se reconhece oficialmente ou não o milagre.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Origem, história e signficado
da festa de Corpus Christi

No século XIII nasceu um Movimento Eucarístico que deu origem à Exposição e Bênção do Santíssimo Sacramento





Na Idade Média, os homens tinham uma devoção enlevada pela pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Para libertar seu túmulo dos pagãos muçulmanos fizeram cruzadas.

A história da festa de Corpus Christi tem origem nessa devoção.

Pelo fim do século XIII, na Abadia de Cornillon, em Lieja, Bélgica, nasceu um Movimento Eucarístico que deu origem à Exposição e Bênção do Santíssimo Sacramento, o uso dos sinos na elevação na Missa e a própria festa do Corpus Christi.

A abadessa Santa Juliana de Mont Cornillon ardia em desejos de que o Santíssimo Sacramento tivesse uma festa especial.

Ela teve uma visão em que a Igreja aparecia como uma lua cheia com uma mancha negra, sinal da ausência da solenidade.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Lourdes na festa de Nossa Senhora Auxiliadora

Maria Auxiliadora na basílica de Maria Ausiliatrice, Turim
Maria Auxiliadora na basílica de
Maria Ausiliatrice, Turim
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Nesta festa, do dia 24 de maio, peçamos a Nossa Senhora prepare nossas almas para receber o chamado para a outra vida no momento em que mais compraza a Ela

No momento em que Ela tenha ocasião de ser mais especialmente nosso auxílio na hora suprema.

Na hora em que nós avançarmos para sermos julgados, que Ela nos dê em um minuto tudo aquilo que nós possamos ter recusado durante nossa minha vida.

E de maneira a realizar o ideal de nós mesmos que deveríamos ter realizado na nossa vida toda.

Ser na hora em que eu comparecerei diante dEla tudo aquilo que Ela queria que eu fosse quando eu fui criado.

Nada na vida me faz falta a não ser notar que eu não sou aquilo que inteiramente eu deveria ser.

A toda a hora nós ouvimos falar que em torno de nós estão se avolumando eventos tremendos.

Porque a Bondade Suprema de Deus está sendo recusada e acalcada aos pés.

De todos os lados o Brasil dá impressão de um tecido velho, corrompido, que vai sendo puxado e vai-se rasgando.

Se o Brasil inteiro soubesse se voltar a Nossa Senhora com uma frequência muito maior.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Oração a Nossa Senhora de Lourdes

A todos os homens vão a Vós, Vós os curais
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Ó Minha Senhora e minha Mãe, Vós manifestastes em Lourdes a grandeza de vosso poder e a imensidade de vossa bondade e por isso todos os homens vão a Vós e Vós os curais.

Fazei-me compreender, minha Mãe, que, no sentido espiritual, toda a Igreja Católica é uma Lourdes.

Que ali Vós vos manifestais aos homens, e os curais.

Quantas enfermidades levo na minha alma mesmo dentro da Santa Igreja para a qual me chamastes tão misericordiosamente!

E, entretanto, vós que sois a Imaculada Conceição, já vais me curando e a todos os que a Vós imploram com o coração contrito e humilhado.

Concedei-me a graça que vos peço (fazer o pedido).

Não permitais que nunca mais eu me separe de Vós, é o que Vos peço do fundo de minha alma.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Em Lourdes: duas atitudes da Providência diante do sofrimento humano

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Nós vemos em Lourdes duas atitudes da Providência diante do sofrimento humano. E estas duas atitudes têm sua razão de ser, apesar de parecerem até contraditórias, dentro da perfeição dos planos divinos.

De um lado, o que mais chama atenção em Lourdes é Nossa Senhora que tem pena do sofrimento dos homens, atende aos rogos deles e pratica milagres para os livrar das dores que eles sofrem.

Vemos Nossa Senhora que tem pena das almas, e para provar que a Fé Católica é verdadeira, pratica milagres e opera conversões.

Mas, de outro lado, nós vemos em Lourdes outro aspecto. E são os inúmeros doentes que vão a Lourdes, e voltam sem ter sido curados.

Por quê razão Nossa Senhora opera a cura de uns e não opera a cura de outros? Qual é o mistério?

Porque é muito fácil a gente compreender que alguns sejam curados. Mas, qual é o mistério pelo qual outros não são curados?

Nisso também Nossa Senhora nos dá um grande ensinamento.

Porque Ela mostra, pela bondade dEla em Lourdes, que Ela é nossa Mãe, que Ela tem pena de nós, que Ela quer e pode praticar maravilhas por nós, e Ela as pratica.

E, entretanto, a maior parte dos doentes que vão lá voltam sem ter sido curados.

Qual é então a razão de ser disto? Qual é a razão mais profunda desse fato?

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Em São Paulo,
um elo de ouro entre Lourdes e o Brasil

Imagem de Na. Sra. de Lourdes
venerada na Igreja do Sagrado Coração de Jesus,
em São Paulo, bairro Campos Elísios.
[Foto Paulo Roberto Campos] 
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Nossa Senhora de Lourdes desejou ser conhecida enquanto sumamente benfazeja.

Assim, sugiro pensarmos numa grande graça para pedir a Ela.

Devemos ser ousados em nossas orações, pedir coisas arrojadas, não coisas insensatas, e pedir com muita insistência.

Por exemplo, pedir uma graça que diga respeito à santificação, e depois algo que se queira de temporal, mas que Ela nos conceda se for para o bem de nossas almas.

Isso nos leva a refletir no panorama de nossa vida espiritual, a ter uma visão de nós mesmos e de nossas atividades.

Na igreja do Sagrado Coração de Jesus [na capital paulista] há uma gruta com uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes.

Não é uma imagem qualquer, é a própria imagem que era venerada na Basílica de Lourdes, na França, antes da imagem atual, segundo documento guardado na igreja.

Portanto, essa imagem constitui um elo entre Lourdes e o Brasil.

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Paradoxo em Lourdes: muitos milagres reconhecidos pela ciência e poucas proclamações canônicas

Alice Couteault: um dos milagres estudados e aprovados
Alice Couteault: um dos milagres reconhecidos
e canonicamente aprovados
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Até 1998, 6.772 casos foram julgados “inexplicáveis”. Mas só 68 foram reconhecidos oficialmente pela Igreja.

O mais recente reconhecimento aconteceu em 11 de fevereiro de 2018, na pessoa da irmã Bernadette Moriau, da diocese de Beauvais, França, curada em 11 de julho de 2008.

Tais cifras são como “a árvore que oculta a floresta que há por trás”, segundo um ditado francês.

Com efeito, muitas pessoas não sabem que existe o Bureau Médico, não se apresentam e nenhuma apuração pode ter lugar.

Muitas outras não conservam, ou não tiveram a documentação médica que serve para documentar o milagre ou, ainda, não podem voltar nos anos seguintes para os exames indispensáveis.

Um número ainda maior é objeto de curas que os beneficiados têm certeza de serem sobrenaturais. Mas as doenças não têm características ou proporções para serem apresentadas ao Bureau.

Por exemplo, mau funcionamento de órgãos, distúrbios neuro-vegetativos ou psiquiátricos.

Maior ainda é o número de males de tipo espiritual ou moral, casos que não são suscetíveis de análise médica.

Ainda mais vasto é o leque dos favorecidos com graças que resolvem problemas de índole familiar, afetiva, profissional, econômica etc., que não entram no âmbito da medicina.

domingo, 15 de abril de 2018

Santa Bernadette, maravilha de santidade

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





O historiador eclesiástico Rorbacher escreveu a respeito de Santa Bernadette, virgem, a quem Nossa Senhora apareceu em Lourdes:

“Bernadette Soubirous era uma criança em tudo igual às outras. Nela só se destacavam a expressão do olhar de invulgar inocência”.

“Na primeira aparição, Bernadette só pode fazer o Sinal da Cruz depois que Nossa Senhora o fez. Mas segundo numerosas testemunhas, depois dessa visão, em toda a vida de Bernadette, seu Sinal da Cruz era inigualável e realmente inesquecível. Um sinal inimitável, pois a vidente o aprendera com a Santíssima Virgem.”

“Uma ocasião, no convento, insistiam com a Irmã Bernarda para que dissesse como era o vestido com o qual Nossa Senhora lhe aparecia. Uma das religiosas dizia que era desta fazenda, outra, daquela.

“Respondeu-lhe Bernadette: `Eu não disse que o vestido era disso ou daquilo. Era de um pano que nunca vi. Ademais, se querem saber tanta coisa, fazei Nossa Senhora voltar outra vez e vede bem'“.

“Grande era sua humildade. Quando alguém a procurou certa vez para que dissesse algumas palavras de edificação às noviças, respondeu sorrindo: 'Ai, nada sei. O que se pode arrancar de uma pedra, minha Irmã?'

sábado, 31 de março de 2018

Domingo de Páscoa: Ressurreição triunfal de Nosso Senhor. Que venha o triunfo da Igreja!

Cristo ressurrecto, basílica dos Santos Pedro e Paulo, Malta. Fundo: rosácea catedral de Chartres, França.
Cristo ressurrecto, basílica dos Santos Pedro e Paulo, Malta.
Fundo: rosácea catedral de Chartres, França.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Assim que a alma de Nosso Senhor voltou ao corpo, Ele apareceu a Nossa Senhora.

Como terá sido esse encontro?

Ele pode ter aparecido como Senhor esplendoroso,

Rei, como nunca ninguém foi nem será rei.

Ou, com um sorriso que lembrava o primeiro olhar no presépio de Belém.

O que Ele comunicou a Ela?

O que Nossa Senhora terá dito, vendo-O e amando-O perfeitamente?

Foi o primeiro louvor que Jesus recebeu após a Ressurreição, feito em nome da Igreja toda.

quarta-feira, 28 de março de 2018

A Santa Ceia: o dom infinito da Eucaristia e o drama

Última Ceia, Instituição da Eucaristia, Giusto da Guanto, c. 1474.
Última Ceia, Instituição da Eucaristia, Giusto da Guanto, c. 1474.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Na Santa Ceia, Jesus Cristo instituiu o Santo Sacrifício da Missa.

Para os judeus era a festividade da Páscoa.

Quer dizer da saída do Egito, da libertação da escravidão.

O inicio do caminho para a Terra Prometida.

No centro da refeição estava o cordeiro pascal.

Em lembrança do cordeiro que Moisés mandou sacrificar e comer antes de partir.

Em prefigura do Cordeiro de Deus que viria remir os homens.

E eis que o Cordeiro de Deus estava ai oferecendo Seu próprio Corpo!

Mas Ele estava profundamente triste.

Ele sabia que um dos Apóstolos O tinha traído.

sábado, 24 de março de 2018

Domingo de Ramos, ontem e hoje

Jesus entrando em Jerusalém, no Domingo de Ramos.
Jesus entrando em Jerusalém, no Domingo de Ramos.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs










Te aplaudiam, meu Senhor! Te aplaudimos também nós…

Te reconheciam rei de Israel, Hosana Filho de Davi!

Te reconhecemos também nós…

Estendiam suas capas e tapetes no chão em Teu passo.

Fizemos o mesmo também nós...

Agitavam ramos de oliveira e palmas em sinal de alegria!

Nos Domingos de Ramos, agitamos também nós...

quarta-feira, 21 de março de 2018

O último suspiro de Santa Bernadette

Santa Bernadette: corpo incorruto em Nevers
Santa Bernadette: corpo incorruto em Nevers
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






A noite de 15 a 16 de abril de 1879 foi a última de Santa Bernadette neste vale de lágrimas. Ela tinha 35 anos de idade.

Por volta das 11 horas da manhã ela quis se levantar. As religiosas a colocaram sobre uma poltrona.

Nessa hora ela ouviu o sino chamando as freiras para o almoço e pediu-lhes perdão por fazê-las atrasar.

Ela olhava sempre para um crucifixo fixado na parede.

Entre meio-dia e uma hora ela tentou comer alguma coisa, mas não conseguiu.

“Seu estado de extrema debilidade me impressionou... Eu achei que era meu dever alertar a enfermeira e chamar a comunidade” – disse a Madre Josefina Forestier.

O Pe. Febre veio logo, confessou-a de novo e recitou com ela a Oração dos Agonizantes. Ela respondia “com uma voz débil, mas clara”.

O sacerdote lembrou-lhe as palavras bíblicas do “esposo divino”:

— “Cola-me como um selo sobre teu coração” (Cântico 8,6).

Tomando o crucifixo ela o colocou sobre o coração, apertando-o com força. Como ela queria que o mesmo ficasse sempre nesse local, amarraram-no com uma fita para evitar que caísse devido aos movimentos involuntários causados pela dor.

Por volta de duas horas e quinze, uma das religiosas lhe perguntou:

— Minha irmã, vós sofreis muito?

— Tudo isso é bom para o Céu – respondeu Bernadette.